Ficou mais fácil fazer o exame de biópsia de próstata

Anestesia local e sedação aliviam a sensação de desconforto do paciente.

DASA-1807A-IMAGEM-BLOG-V01

No Brasil, cerca de 60 mil novos casos de câncer de próstata são descobertos ao ano e a melhor maneira de evitá-lo é o mesmo de tantas outras doenças: realizar os exames preventivos para um diagnóstico precoce e um tratamento mais eficaz.

Mesmo assim, muitos pacientes ainda têm receio em fazer alguns exames, principalmente pelo desconforto. É o caso da biópsia de próstata, um procedimento eficiente feito em casos de suspeita de câncer, e que garante bons resultados ao determinar a existência ou não da patologia.

E como funciona o exame? A Dra. Glória Falcão, radiologista e parte do corpo clínico da CDPI, explica que neste tipo de biópsia, “é feita a retirada de fragmentos de tecido da próstata através de uma agulha acoplada à uma pistola especial para esse método, guiada pela ultrassonografia transretal da próstata com Doppler colorido”.

Na CDPI Niterói, a biópsia de próstata ficou muito mais confortável. A unidade já é pioneira em diversos tipos de biópsias, e inova ao trazer uma versão do procedimento com sedação e anestesia local. Neste método, o paciente permanece adormecido durante todo o tempo necessário e, ao acordar, o desconforto é minimizado graças à anestesia.

Vale lembrar que o paciente deve marcar seu exame com antecedência e seguir adequadamente as instruções de preparação. No dia da biópsia, deve-se chegar com meia hora de antecedência para a avaliação do anestesista e para fazer exames de imagem e níveis de Antígeno Prostático Específico (PSA), determinados através do sangue.

“Somos uma que realiza biópsias há muitos anos. Fomos a pioneira na cidade de Niterói e agora realizamos esse método mais agradável ao paciente que facilita a aceitação do exame. O procedimento já está disponível para a realização na unidade Icaraí 509, oferecendo conforto e atendimento de qualidade”, completa a Dra. Glória.

Entenda importância de diagnosticar diabetes com antecedência

A doença pode levar de 5 a 7 anos para se desenvolver, mas pode ser identificada cedo com exames periódicos.

DASA-1569A-IMAGEM-BLOG-V01

Você sabia que cerca de 30% das pessoas com diabetes não sabem que são portadoras da doença? E que até 25% das pessoas recém diagnosticadas já tem complicações relacionadas?
Isso ocorre porque seus sintomas são comuns, como uma simples tontura, dificuldade visual, cãibra ou disfunção erétil. Em alguns casos ainda, o diabetes não apresenta sintoma nenhum, podendo chegar a um período de 5 a 7 anos entre o início e o diagnóstico da patologia.
O diabetes que não é tratado pode resultar em várias outras complicações micro e macrovasculares, como lesões nos rins, distúrbios neurológicos e infarto. Dessa forma, o diagnóstico precoce é fundamental para minimizar os danos da doença.
O segredo para diagnosticar o diabetes com antecedência é realizar consultas e exames periodicamente, sob orientação do médico, sendo que a prevalência do diabetes no Brasil aumenta com a idade: Enquanto 2,7% das pessoas na faixa etária de 30 a 59 anos têm a doença, o índice pula para 17,4% entre os pacientes com idade entre 60 e 69 anos.
Gestantes devem ter atenção redobrada e manter seu nível de glicose controlado, já que bebês de mães portadoras de diabetes estão em maior risco de mortalidade em comparação com crianças nascidas de mães sem a doença. É recomendado que a dosagem de glicose dos recém-nascidos de mães diabéticas seja feita logo após o parto, uma vez que esses bebês apresentam um risco maior de hipoglicemia (queda da glicose).
Saiba mais sobre os diabetes tipo 1 e 2 e quais os exames para identificá-los:

DIABETES TIPO 1

O diabetes tipo 1 acomete principalmente crianças, adolescentes e jovens adultos. É uma doença autoimune que destrói as células produtoras de insulina no pâncreas, o que torna necessárias as injeções para regular a glicose.
Para detectar a doença, o paciente pode fazer os seguintes exames: glicemia de jejum, que mede o nível de açúcar no sangue naquele momento, e hemoglobina glicada, que mostra a quantidade média de açúcar no sangue nos últimos três meses. Também é necessário atenção caso aconteça a glicemia ocasional elevada mesmo quando a pessoa não está em jejum. Essa condição, aliada a outros sintomas da doença como emagrecimento, fome e sede excessiva, pode indicar a presença da patologia.

DIABETES TIPO 2

O diabetes tipo 2 está relacionado ao sedentarismo, à obesidade e a resistência à ação da insulina, sendo mais comum em pessoas que já passaram dos 45 anos.
Nesse tipo de patologia, cerca de 50% dos pacientes desconhecem ter a doença por apresentar pouco ou nenhum sintoma, podendo haver um período de 5 a 7 anos entre o início da doença e seu diagnóstico. Por isso, não se deve esperar um quadro clínico, e sim identificar grupos de risco: pessoas com idade acima de 45 anos, ou mais jovens que tenham fatores suscetíveis à doença, como obesidade, hipertensão arterial, alteração do colesterol, ovários policísticos e histórico familiar de diabetes. Para rastrear a doença nesses pacientes, é feita a dosagem da glicemia em jejum.

Salsicha e Scooby Doo esperam por você!

Venha participar dos eventos nas unidades SF/CDPI

SF_blog_ação Scooby Doo

O Scooby e o Salsicha chegaram ao Sérgio Franco! Venha conhecer a nova área pediátrica com a presença deles.

Confira a agenda completa e não deixe de participar desses eventos inéditos:

13/10 (quinta-feira): Unidade Méier

Endereço: Rua Dias da Cruz, 330

das 8h às 16h*
* Sujeito a alteração sem aviso prévio.

14/10 (sexta-feira): Unidade Barra da Tijuca

Endereço: Barra Shopping – Avenida das Américas, 4.666

das 8h às 13h30*

* Sujeito a alteração sem aviso prévio.

15/10 (sábado): Unidade Leblon

Endereço: Avenida Ataulfo de Paiva, 669

Das 8h às 15h*
* Sujeito a alteração sem aviso prévio.

Tragam as crianças!

Sucos naturais são uma boa pedida para incrementar a dieta

Saborosos e nutritivos, eles são aliados poderosos de uma alimentação saudável. E o melhor: são muito simples...

DASA-1530A-IMAGEM-BLOG_V01

Espinafre é rico em cálcio, suco de laranja tem vitamina C e água de coco hidrata o corpo – com certeza você já ouviu essas dicas antes. Afinal, esses e vários outros alimentos repletos de nutrientes são recomendados para quem quer fortalecer a saúde e se alimentar melhor. Mas nem sempre é fácil inseri-los na rotina, principalmente por falta de tempo ou costume.

Uma maneira prática de turbinar o cardápio com frutas, legumes, verduras e grãos é através dos sucos naturais. Com receitas criativas e saborosas, eles permitem uma infinidade de combinações capazes de favorecer o funcionamento do organismo, e ainda podem ajudar a combater o inchaço, aliviar o estresse e regular a atividade do intestino, além de muitos outros benefícios. E não é preciso muito: um copo por dia pode fazer toda a diferença para sua saúde.

É importante ressaltar que os sucos, sozinhos, não têm o efeito desejado. É essencial que eles estejam associados a um cardápio bem elaborado e sejam parte do dia-a-dia, ao invés de substituir as refeições. Na hora do preparo, invista em folhas escuras, ricas em propriedades antioxidantes, e a beterraba, que é uma fonte de nitrito, substância que ajuda o organismo a ter uma boa circulação sanguínea.

As opções são várias, mas seja qual for sua escolha, o que vale é preparar os sucos em casa, com ingredientes sempre frescos. Produtos de caixinha costumam carregar muito açúcar e conservantes, que definitivamente não fazem bem para a saúde.

Confira seis deliciosas receitas de sucos naturais e a matéria completa aqui: https://pt.calameo.com/read/00166344106a4cdcac16a

Haja coração

O Brasil recebe o maior evento de jogos do mundo e emoção não falta. Estamos torcendo, gritando e nos...

blog_700x240_olimpiadas

Nem todo brasileiro é fanático por futebol, mas é difícil encontrar alguém indiferente a um jogo disputado nos pênaltis. Ainda mais disputando medalha olímpica. E a importância que damos ao jogo tem uma série de consequências sobre o nosso corpo e a nossa mente. Ficamos animados e esperançosos, suamos frio e o coração bate mais rápido. Tudo isso é efeito dos hormônios que caem na nossa corrente sanguínea quando vivemos fortes emoções. O problema é que esses mesmos hormônios também podem ser prejudiciais. Aí, o excesso de emoção pode voltar contra você.

A consciência de que grandes eventos esportivos podem desencadear problemas de saúde é recente, Um estudo feito na Copa do Mundo de 2006 pela Universidade de Munique, na Alemanha, mostrou que a incidência de emergências cardíacas, como infartos, nos dias em que o time alemão entrava em campo era mais que duas vezes maior do que antes dos jogos! E mais: os ataques do coração não estavam relacionados às derrotas ou vitórias da seleção, mas sim à dramaticidade dos jogos. Um dos dias com maior número de infartos foi quando a Alemanha venceu a Argentina nos pênaltis, em 2006, após uma partida emocionante. Mas se o jogo é para divertir, por que isso acontece?

O corpo entende um jogo difícil como situação de perigo. A adrenalina estimula dois tipos de receptores, chamados alfa e beta. Os primeiros estão nos vasos e provocam aumento de pressão. Já os segundos estão no coração, aumentando os batimentos e o consumo de oxigênio. A pressão e a frequência cardíaca sobem para levar mais sangue aos músculos e permite uma reação rápida do corpo. Por isso suamos mesmo fora do campo, isso aumenta a temperatura do corpo, ativa o metabolismo  e faz a pessoa suar.

A adrenalina é um hormônio liberado no sangue pela glândula suprarrenal em situações de estresse. Em uma pessoa saudável, significa apenas que o coração vai bater mais rápido. Mas em um cardiopatia, as consequências podem ser mais graves. Assim como torcedores, os jogadores também correm riscos de saúde. No entanto, os jogadores recebem treinamento físico e psicológico para suportar a tensão. Como o futebol é paixão nacional, as mulheres também precisam ficar de olhos abertos quando o assunto é a saúde cardíaca. Vamos torcer e tentar controlar a ansiedade para o fim do jogo. Confira nossa matéria completa na página 21 da nossa revista digital: Revista SF/CDPI

Conheça os benefícios do judô

O medalhista olímpico Flávio Canto fala sobre as vantagens que o esporte proporciona para a saúde.

DASA-1313A-IMAGEM-BLOG-V01

O judoca Flávio Canto é medalhista olímpico e fundador do Instituto Reação, no Rio de Janeiro, que promove a inclusão social de crianças por meio do esporte. Se apaixonou pelo judô aos 13 anos, inspirado no campeão olímpico brasileiro Aurélio Miguel. E dá a dica: o judô é um esporte que proporciona uma rica formação técnica, corporal e de valores.
“Não é puramente físico, tem também estudo e raciocínio, é como um xadrez de corpo”, define Flávio. Assim como em outras artes marciais, a ideia é que a prática vá além do tatame. Afinal, “a evolução técnica está sempre associada à intelectual e à espiritual”, como explica o judoca.
É um esporte muito indicado para os pequenos, já que desenvolve integralmente habilidades psicomotoras e de relacionamento. A modalidade foi considerada pela Unesco a melhor formação esportiva inicial dos 4 aos 21 anos.
No caso dos adultos, Flávio acredita que pode ser uma opção para substituir a musculação, além de ser mais divertida. O judoca indica repetições técnicas e lutas solo para os iniciantes, uma vez que o risco de se machucar é menor. Se você for alguém interessado em aprender cada dia mais, assim como Flávio, esse é o esporte ideal!

Para saber mais sobre a trajetória de Flávio Canto e conferir mais esportes olímpicos benéficos para a saúde, leia a matéria completa na Revista Sérgio Franco/CDPI, disponível em nossas unidades e também na versão digital: http://pt.calameo.com/read/001663441f91f18aa3e5f

 

 

 

O primeiro e mais importante passo para a saúde do seu bebê. Saiba mais.

O teste do pezinho é um exame laboratorial recomendado a todas as crianças após o nascimento, mesmo àquelas...

ImagemBlog_TesteDoPezinho

A Triagem Neonatal, seu nome científico, é capaz de detectar doenças genéticas, metabólicas e infecciosas que só apresentam sintomas após alguns meses de vida. Entre elas: fenilcetonúria (Pku), aminoácidopatias, hipotiroidismo congênito (HC) e deficiência de biotinidase.

Após a punção do calcanhar do bebê, as gotinhas de sangue são colocadas em um papel de filtro, e esse material já é o suficiente para identificar diversas doenças. A punção é feita no calcanhar por ser uma região rica em vasos sanguíneos, tornando o teste simples, rápido e praticamente indolor para o bebê.

O melhor momento para realizar o teste do pezinho é depois de 48 horas de vida, após o bebê já ter mamado algumas vezes, coletando a amostra de sangue imediatamente antes da próxima mamada.

O ideal é fazer o exame precocemente. Assim, qualquer tratamento eventualmente necessário poderá ser iniciado, assegurando a saúde física e mental do bebê. Afinal, com um diagnóstico precoce, é possível adequar a dieta da criança ou determinar o uso de medicamentos para evitar sintomas ou complicações futuras.

Em todas as unidades do Sérgio Franco é possível realizar o exame com todo conforto e segurança para o bebê e a família.

Para mais informações entre em contato com o Atendimento ao Cliente: (21) 2672-7070