Cuidado à prova de radiação

Seu uso mudou a realidade da medicina, mas a exposição excessiva pode trazer problemas de saúde,...

sfcdpi-radiação-corte

A radiação está presente o tempo todo em nosso dia a dia. Seja por causa de exames ou na atmosfera. O gás radônio, por exemplo, é responsável por 50% da radiação que uma pessoa tem contato durante a vida. Ele é encontrado no meio ambiente e sua concentração pode ser elevada em ambientes fechados, proveniente do solo. A quantidade desse gás no ar muda dependendo dos pontos geográficos e, em países industrializados, chega a 3,0 mSv ao ano.


Apesar de presente em nossa vida, a radiação pode ser responsável por aumentar as chances do desenvolvimento de câncer, já que ela pode causar morte ou mutação celular. Por esse motivo não devemos nos submeter a exames que utilizam radiação para seu resultado? Não é preciso tanto exagero, mas é importante limitar seu uso.
Os avanços da medicina diagnóstica se deram, em parte, pelo uso de radiação. Se antigamente era necessário manter uma pessoa acidentada em observação no hospital, hoje basta que seja feita uma tomografia computadorizada e, em poucos minutos, o diagnóstico preciso é alcançado.

O enorme benefício trazido por esse tipo de exame, que faz a avaliação da maioria das estruturas do corpo humano com clareza, deve ser levado em consideração, mas a exposição de pacientes a exames que emitem radiação ionizante é um ponto de atenção quando o assunto é diagnóstico. Segundo o Dr. Pedro Daltro, nosso radiologista pediátrico, o cuidado maior deve ser com as crianças, que são mais suscetíveis a essa exposição. “Existem novos exames substitutos que evitam o risco da radiação e essas técnicas devem ser utilizadas, sobretudo em crianças, pois seus tecidos celulares ainda estão em desenvolvimento e podem ser mais afetados”, afirma.

O benefício do exame, quando bem indicado e sem a possibilidade de ser substituído por novos métodos sem radiação, justifica o procedimento. Alguns exames, como de cabeça, pescoço e extremidades podem ser realizados com cuidados especiais para a redução da dose de radiação, como aventais de chumbo para as partes que não serão examinadas.

Tratamento inovador
Nem todos os tratamentos podem ser substituídos, mas já há essa possibilidade. Crianças com doenças renais, por exemplo, precisam de exames periódicos. Uma das opções já indicadas por médicos é a urorressonância funcional. Esse método de acompanhamento do quadro clínico proporciona informações mais completas e precisas e a CDPI Criança é a única clínica na América Latina que oferece o exame para pacientes a partir de cinco anos, sem necessidade de sedação.

Soluções diagnósticas que reduzem a zero a exposição à radiação não são o foco dos estudos do setor dedicado aos cuidados infantis, fundado por Dr. Daltro. A urorressonância funcional é apenas uma das técnicas que não usa radiação para diagnóstico de doenças associadas ao sistema urinário.

A principal vantagem do exame, além de evitar a radiação, é a junção da análise anatômica e da função renal em um único procedimento. Por possuir uma excelente resolução de imagem e contraste, o exame permite um diagnóstico mais preciso da anatomia do trato urinário, além da possibilidade de análise funcional, que o torna uma alternativa, também, à cintilografia.

Parece, mas não é
Ressonância Magnética
O exame se utiliza de um campo magnético criado pelo equipamento, portanto não precisa de radiação e, ainda assim, consegue imagens de alta definição dos órgãos.

Ultrassom
Os bebês estão protegidos da radiação. O exame é feito a partir de técnicas de geração de imagem por meio de ondas sonoras de alta frequência e seus ecos.

(Texto publicado originalmente na Revista Sérgio Franco CDPI. Você pode fazer o download para iPad neste link (http://bit.ly/Z6ustb) ou retirar sua versão impressa em qualquer Unidade de Atendimento (http://bit.ly/115N36x).)

Cuidado: é época de catapora!

Doença que causa bolinhas vermelhas atinge mais crianças, mas adultos não estão imunes

Blog_SF

 

“Catapora é doença de criança”, “quem já pegou uma vez não pega nunca mais”, “catapora é tão inocente quanto um resfriado”. É comum ouvirmos frases parecidas com estas por aí, mas é importante esclarecer que não é bem assim.

Leia Mais

Energéticos: amigos ou inimigos?

Bebida que manda o sono embora tem seus prós e contras

Blog_Animo

 

Vendidas como a solução mais prática para quem precisa de um ânimo extra, as bebidas energéticas são vistas normalmente nas mãos de jovens na balada e em pessoas que precisam ficar alertas no trabalho ou na escola.

Feitas à base de cafeína e outras substâncias estimulantes, como a taurina e a glucoronolactona, os energéticos realmente potencializam a resposta do cérebro aos estímulos, deixando o corpo mais ativo ou acelerado. Por outro lado, cada vez mais pesquisas alertam sobre perigosos efeitos colaterais.

Muitas dúvidas cercam este tipo de bebida. O que é fato e o que é boato?

Leia Mais

Sérgio Franco inaugura Núcleo de Genética Laboratorial

Laboratório é primeiro na rede particular a possuir tecnologia de ponta para triagem neonatal

blog_Tecnologia

 

O Sérgio Franco inaugurou recentemente o Núcleo de Genética Laboratorial (NGL) dentro do Núcleo Técnico Operacional da empresa, em Duque de Caxias (Baixada Fluminense). A nova área possui 132 m² e oferece, além dos exames de triagem neonatal, exames com abordagens bioquímica, celular e molecular voltados para genética clínica, medicina preventiva, farmacogenética, cardiologia, gerontologia e oncologia.

Leia Mais

Caminhar uma hora por dia reduz o risco de câncer de mama

Mulheres na pós-menopausa que caminham frequentemente podem reduzir o risco em até 14%

01

 

A Sociedade Americana do Câncer anunciou recentemente uma ótima notícia para este Outubro Rosa: uma simples caminhada de uma hora por dia pode diminuir de maneira significativa o risco de desenvolver câncer de mama.

Leia Mais

Alimentos da estação: Jabuticaba

Pequena notável cuida do lado interno e externo do corpo

Blog_Pequena

 

Quem olha para uma única jabuticaba pode não dar muito valor a esta frutinha silvestre 100% brasileira, mas a verdade é que tudo o que ela não tem de tamanho, ela tem de benefícios para a saúde.

Leia Mais

Síndromes cromossômicas: saiba mais sobre elas

Seja Down, Edwards ou Patau, o que você conhece sobre trissomias?

Blog_sindormes

 

Trissomias são doenças cromossômicas. Elas se apresentam de diferentes maneiras, porém todas elas vem de um distúrbio genético nos cromossomos. O tratamento de cada uma delas é diferente e são essas diferenças que veremos.

Leia Mais

Aprenda a desvendar o que quer dizer cada coisa nos rótulos dos alimentos

Para ter uma alimentação correta, é preciso aprender a ler o rótulo antes de comprar

BlogEmbalagem

O primeiro passo para ter uma alimentação saudável é saber balancear nutrientes e calorias. Nem sempre o que parece saudável na teoria faz bem para a saúde de verdade (é o caso de muitos alimentos industrializados que se dizem “light” ou “diet”), enquanto outros parecem ser vilões, mas, se consumidos da maneira recomendada, não fazem mal.

Para evitar ciladas, a dica é uma só: aprenda a ler o rótulo do produto. Ainda que recomendado por todos os médicos e especialistas, muitas pessoas ainda não têm o costume de ler toda a embalagem antes de colocar o alimento no carrinho de compras.

De acordo com o Ministério da Saúde, 70% das pessoas que ligam para o Disque-Saúde, serviço que esclarece dúvidas da população, consultam os rótulos na hora da compra. No entanto, mais da metade delas não entende o significado do que está impresso ali. As informações nutricionais são essenciais para manter a dieta balanceada, então aprenda a decifrar o que está escrito ali na tabelinha:

– Porção (em gramas ou mililitros): é a quantidade média recomendada para consumo para manter uma alimentação saudável. Na maioria das vezes os valores nutricionais não correspondem ao alimento inteiro, então é preciso prestar atenção para lembrar de calcular o valor correspondente à quantidade que será ingerida.

– Medida caseira: ela vem ao lado do valor da porção. É a maneira mais fácil de dizer ao consumidor quanto do produto corresponde à tal porção indicada. Por exemplo: uma unidade, fatia, tablete, colher, copo, etc.

– Valor energético: são as famosas calorias (kcal). Elas representam a energia que nosso corpo produz a partir do consumo daquela porção de alimento.

– %VD: a sigla significa Valor Diário. Indica qual a quantidade calorias e de nutrientes que o alimento apresenta em relação a uma dieta média de 2.000 kcal.

– Carboidratos: são fontes de energia para o corpo. O que não é utilizado pelo organismo é estocado na forma de gordura, por isto é preciso consumir moderadamente. Atenção: o “zero açúcar” escrito no rótulo nem sempre significa que o produto tem zero carboidrato! A necessidade diária é de 300g.

– Proteínas: auxiliam a construir e conservar tecidos, órgãos e células. Em doses apropriadas, elas garantem a manutenção da saúde e também proporcionam sensação de saciedade. A necessidade diária é de 75g.

– Gorduras totais: são altamente energéticas e auxiliam no transporte das vitaminas A, D, E e K. No entanto, o consumo deve ser moderado, já que o abuso provoca aumento de peso. As gorduras totais representam a soma das gorduras poliinsaturadas, monoinsaturadas, saturadas e trans. A necessidade diária é de 55g.

– Gorduras saturadas: a ingestão excessiva desse tipo de gordura aumenta o risco de doenças cardiovasculares. Por isto, o ideal é fugir dos alimentos com alto %VD. A necessidade diária é de 22g.

– Gorduras trans: presentes principalmente em produtos industrializados que levam gorduras vegetais hidrogenadas na preparação (salgadinhos, bolachas, sorvetes), devem ser evitadas sempre que possível. Segundo a Anvisa, para não prejudicar a saúde o ideal é consumir no máximo 2g de gordura trans por dia.

– Fibra alimentar: são compostos essenciais para o bom funcionamento do organismo. Entre seus benefícios estão o controle das taxas de glicemia e colesterol, a manutenção das funções intestinais e o aumento do efeito de saciedade. A necessidade diária é de 25g.

– Sódio: ainda que esteja na moda “crucificar” o sódio, este nutriente é importante para a regulação hídrica e o desempenho adequado do cérebro. O problema está no excesso: sopinhas em pó e macarrão instantâneo podem ter poucas calorias, mas uma quantidade absurda de sódio. A necessidade diária é de 2.400mg.

Para ter uma alimentação mais saudável, prefira produtos com baixo %VD para gorduras saturadas, gorduras trans e sódio e procure produtos com alto %VD para as fibras alimentares. E lembre-se: um pouco mais de calorias compensa a escolha por alimentos mais nutritivos.

Dicas importantes para iniciar a prática de atividades físicas

Quer começar a se exercitar? Aqui vão sete dicas para suar a camisa direito!

sfcdpi-exercícios-corte

Se você faz parte do grupo de pessoas que só fica na velha promessa do “segunda-feira eu começo”, saiba que nunca é tarde para levar a sério a intenção. Quem faz exercícios físicos só tem a ganhar – os riscos de doenças como hipertensão, diabetes e colesterol diminuem, a respiração melhora, a disposição e o ânimo para o dia a dia só aumentam.

Quem decidiu colocar o plano em prática já ganha pontos pela força de vontade, mas também é importante lembrar que, antes de calçar o tênis e partir para a academia, é necessário ter uma avaliação médica. O especialista vai dizer se o corpo está apto para a atividade escolhida e decidir se é necessário complementar o exame com outros métodos diagnósticos, como o teste ergométrico, eletrocardiograma e ecocardiograma.

Se o médico der sinal verde, então tudo bem – mas antes, siga sete dicas valiosas para começar bem:

– Converse sobre o seu corpo com o instrutor: quem se matricular em uma academia ou contratar um personal trainer deve repassar todos os números para o professor – pressão, frequência cardíaca, índice de massa corporal e demais medidas antropométricas.

– Procure a roupa perfeita: ainda que a indústria da moda lucre bastante com os looks de academia, tenha em mente que, independente de ter estilo, a roupa deve ser leve e confortável. O mesmo vale para os tênis.

– Prepare o seu corpo: lembre-se que, antes de qualquer coisa, os músculos e articulações precisam estar aquecidos e alongados. Repita o alongamento quando terminar.

– Não se esqueça da comida e da bebida: nunca faça atividades físicas em jejum, escolha algum alimento leve e com baixo teor calórico para ter energia durante o exercício. Quanto à água, não há dúvidas – hidrate-se antes, durante e depois do treino. Tome meio litro de água fracionado durante os intervalos de descanso e até um litro nas próximas horas após os exercícios.

– Não tenha pressa: a vontade de perceber resultados rápidos pode fazer com que a pessoa exagere na quantidade e no ritmo, causando lesões. Mesmo que sem resultados aparentes, as primeiras aulas devem ser feitas com calma para que o corpo se fortaleça e se acostume com o exercício.

– Fuja da rotina: depois que o seu corpo acostumou e já mostrou alguns resultados, é comum parecer, em certo ponto, que não há mais avanço no processo. A dica não é aumentar drasticamente o peso e nem a frequência, mas sim variar o treinamento. Um dia corra na rua, no outro pedale alguns quilômetros, no outro faça musculação, por exemplo.

– Um passo de cada vez: aumente a intensidade gradualmente, mas não faça isto por conta própria. Para evitar lesões, siga a orientação do professor para ir adiante no treinamento.
– Aprenda a queimar muitas calorias: confira quantas calorias vão embora durante uma hora de atividade física:
Uma corridinha – 900 calorias
Andar de bicicleta – 840 calorias
Uma partida de tênis – 800 calorias
Joguinho de futebol – 780 calorias
Aula de boxe – 660 calorias
Natação – 540 calorias

Cuide da saúde dos seus rins com hábitos simples

Rins saudáveis evitam problemas graves no futuro

sfcdpi-rins-corte

Com 150 gramas e apenas 12 centímetros de altura, quase não dá para acreditar que os rins são órgãos tão vitais quanto o coração e os pulmões. Eles controlam a quantidade de água e sal no corpo, eliminam resíduos e toxinas, ajudam no controle da hipertensão, produzem hormônios que impedem a anemia e a descalcificação óssea, conservam as concentrações contínuas de ácido, evitam a anemia e aumentam a produção de vitamina D.
Leia Mais