Exame de sangue identifica pacientes com alto risco de insuficiência cardíaca

Um exame de sangue capaz de identificar pacientes com alto risco de insuficiência cardíaca acaba de chegar ao Sérgio Franco

FB_SFCDPI_1504_blog

Um exame de sangue capaz de identificar pacientes com alto risco de insuficiência cardíaca acaba de chegar ao Sérgio Franco. A novidade é possível graças à dosagem de uma proteína chamada Galectina-3, biomarcador responsável por danificar o coração e detectável em altos níveis quando há risco da doença.

“Este exame define casos mais graves antes que os sinais da insuficiência cardíaca se manifestem” revela a Dra. Monica Freire, Diretora Médica do Sérgio Franco/CDPI. Segundo ela, na última década, a utilização de biomarcadores surgiu como uma importante ferramenta no diagnóstico precoce e na distinção de pacientes com esta doença, além de outras condições clínicas. “Os biomarcadores fornecem dados prognósticos muito úteis e podem ajudar a guiar a terapia tanto no acometimento agudo quanto crônico”, diz a Dra. Monica Freire, Diretora Médica do Sérgio Franco/CDPI.

A Galectina-3 é uma proteína que está diretamente envolvida com os processos de adesão e ativação celular, quimio-atração; crescimento celular, diferenciação e morte celular programada. “Devido a esta ampla funcionalidade biológica, a dosagem de Galectina-3 foi relacionada a outras doenças, como alguns tipos de câncer, inflamações e fibrose cardíaca”, afirma a médica.

Entre as vantagens propiciadas pelo exame, está a predição de risco para insuficiência cardíaca na avaliação ambulatorial, identificação de pacientes com grandes riscos de complicações, hospitalizações e mortalidade e também de pacientes que se beneficiam de abordagem terapêutica mais agressiva. Em pacientes internados por descompensação da insuficiência cardíaca, o exame também aponta a gravidade e possibilita um planejamento terapêutico individualizado.

“Hoje em dia, caminhamos para a medicina personalizada e este exame representa um grande avanço para a Medicina Diagnóstica”, destaca a Dra. Monica.